quinta-feira, 28 de abril de 2011

Hamas e Fatah fecham acordo

As duas principais facções palestinas, o Fatah e o Hamas, concordaram em linhas gerais com um plano de reconciliação. Segundo o acordo, será formado um governo interino e fixada uma data para eleições palestinas.


Milhares de palestinos protestaram no começo do mês pedindo a reconciliação em manifestações inspiradas nos levantes populares que vêm ocorrendo em diversos pontos do Oriente Médio.


A união ocorreu um ano após o Hamas vencer o Fatah nas eleições parlamentares palestinas de 2006. EUA e União Europeia suspenderam a ajuda aos palestinos, alegando, entre outros argumentos, que o Hamas não reconhece Israel.


Para obter reconhecimento internacional, o Hamas concordou com a formação de um governo de unidade nacional com o Fatah em 2007, mas as rixas entre os grupos não foram superadas. Os grupos romperam em junho de 2007, quando o Hamas passou a controlar a Faixa de Gaza e o Fatah, a Cisjordânia.

* Infos Da BBC.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Morre Orlando Bosch, inimigo dos Castro

Morreu em Miami o militante Orlando Bosch, 84, um dos homens que fazia forte oposição ao regime de Fidel Castro em Cuba.

Em 1976 ele foi detido junto com um ex-agente da CIA na Venezuela, acusado de planejar o atentado contra um avião da Cubana, mas foi inocentado. Bosch chegou a apoiar o início da Revolução Cubana comandada por Fidel, mas logo depois tornou-se opositor e fundou um grupo guerrilheiro contrarrevolucionário. O grupo durou pouco em em 1960 ele abandonou a ilha, indo para Miami, de onde seguiu militando.

Bosch era considerado pelo governo em Havana como um "terrorista" protegido pelos Estados Unidos.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Agora é o Medvedev dançando!

Virou moda agora político dançar? Dessa vez foi o presidente russo Dimitri Medvedev:

terça-feira, 19 de abril de 2011

Fidel sai da política para entrar para a história

Fidel Castro concluiu que já deu a sua contribuição para os ideais que acredita. Depois de passar a presidência de Cuba para o irmão, Raúl Castro, agora abdicou também da presidência do Partido Comunista.

Com essa última cartada, o líder da Revolução Cubana está fadado a entrar pra a história de uma forma mais digna, como poucos líderes. Devido aos problemas de saúde e à idade (84 anos), Fidel abandonou conscientemente tudo o que lutou para conseguir.

Agora, ele continuará presente com suas reflexões, artigos que publica na mídia cubana e que são traduzidos para vários idiomas, nos quais opina sobre tudo o que está acontecendo no mundo. Quem tiver interesse, pode ler todos os artigos publicados até agora (em português) aqui.

Deputado romeno dança (e bem) Michael Jackson

O deputado da Romênia Edmond Talmacean, de 40 anos, divertiu os convidados (e telespectadores) de um programa de televisão dançando Michael Jackson:
10. Nota 10!

domingo, 17 de abril de 2011

Raúl, o Castro do século XXI

Neste final de semana o Partido Comunista de Cuba se reuniu após mais de uma década. Desse encontro, parecem sair decisões importantes. A mais impactante delas é a proposta do atual governante do país de limitar o poder nos cargos públicos a dois períodos de 5 anos cada.

"Chegamos à conclusão de que é recomendado limitar ao máximo de dois períodos consecutivos de cinco anos o desempenho de cargos políticos e estatais fundamentais, isso é possível e necessário nas atuais circunstâncias". (Raúl Castro)

No discurso, Raúl também fez muitas autocríticas sobre o governo de Cuba nos últimos 52 anos.

Raúl Castro, irmão de Fidel, parece ser o revolucionário do século XXI. Vendo que o sonho comunista na ilha não foi um sucesso total, busca agora novas formas de melhorar o país. E consciente. Ele parece ser mais avançado que o irmão e isso, por si só, é motivo de comemoração.

sábado, 16 de abril de 2011

"Um Papa Americano" (versão de Papanamericano)

Hoje, 16 de abril, o atual Papa, Joseph Ratzinger, faz 84 anos. Ele é alemão, que substituiu um polonês, que substituiu um italiano... Enfim, os papas sempre foram europeus.

O humorista espanhol Jose Mota acha que está na hora de mudar isso. Veja:

Kadafi Fashion Week

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Corpo de Salvador Allende será exumado no Chile

A justiça do Chile autorizou a exumação do corpo do ex-presidente Salvador Allende porque a família quer saber se ele foi morto no golpe de 1973 ou se cometeu suicídio.

O procedimento deve acontecer, segundo agências internacionais, na segunda quinzena de maio.

O socialista Salvador Allende morreu durante o ataque aéreo das forças do general Augusto Pinochet, em 11 de setembro de 1973, ao Palácio La Moneda, em Santiago. O ataque contou com o apoio dos Estados Unidos.

As autoridades da época disseram que Allende cometeu suicídio com um tiro no queixo, mas as causas da morte nunca fora investigadas.

Humala está se “Lulizando”

O vencedor do primeiro turno das eleições presidenciais no Peru, Ollanta Humala é um conhecido líder da esquerda com um possível passado guerrilheiro ainda desconhecido. Está em sua segunda tentativa de chegar à Presidência.

Em 2006, com apoio do venezuelano Hugo Chávez e, dizem os analistas, espelhando-se neste, Humala fez uma campanha agressiva e com discursos fortes. Conseguiu ir para o segundo turno, mas foi derrotado pelo atual presidente Alan Garcia.

Novamente está na disputa do segundo turno, desta vez contra a filha do ex-presidente Alberto Fujimori, Keiko Fujimori. A diferença está no tom da campanha: ele evitou falar sobre Chávez nos discursos e entrevistas e, dizem, tem o ex-presidente Lula* como exemplo. Além disso, está mais moderado.

Humala está se “Lulizando”. Assim como o ex-presidente brasileiro, adotou uma postura mais para o “paz e amor” do que para o maluco revolucionário que vai mudar o país num passe de mágica. Parece estar dando certo.

Soma-se a isso o fato da candidata de oposição ser frágil: Keiko Fujimori não tem como se desvincular da imagem do pai, ex-presidente condenado a 25 anos de prisão por violações dos direitos humanos. Para o “Ollanta paz e amor” a eleição está no papo.

* Na foto da revista Época, o encontro entre ambos em 2006, no Palácio do Planalto.

A gafe do José Sócrates

No final de março o primeiro-ministro de Portugal, José Sócrates, renunciou. No entanto, ele segue no cargo até que um novo governo seja formado. Um dos principais fatores que levou a saída do político é a falta de base no Parlamento.

Pesquisando no YouTube achei esse pequeno vídeo que mostra um dos momentos mais engraçados do primeiro-ministro. Veja:

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Último ditador da Argentina vai morrer na cadeia

Reynaldo Bignone, o último ditador da Argentina (82-83), foi condenado nesta quinta-feira à prisão perpétua por crimes contra a humanidade.

Bignone tem 83 anos e, aparentemente, saúde frágil.

Ele é um dos criminosos da ditadura argentina, considerada uma das mais cruéis da América, que começaram a ser julgados em 2005, quando foram anuladas as leis de anistia. Mais de 200 já foram julgados e há outros 800 na fila.

Nas fotos, o ditador em 82 e em 2010.

Os destinos internacionais de Dilma

A presidenta Dilma Rousseff está em sua segunda viagem internacional desde que assumiu a Presidência. O primeiro destino foi a Argentina de Cristina Kirchner. O segundo, a China comunista de Hu Jintao.

Além disso, o presidente dos Estados Unidos ainda não teve a honra de receber a primeira mulher líder máxima do Brasil. Foi Barack Obama quem teve que vir até terras tupiniquins para encontrar Dilma. Cavalheiro, não? Não! Esperto.

O fato é que ela dá cara a seu recém iniciado mandato. Os primeiros encontros internacionais significam muito sobre como será a política internacional do Governo Dilma.

Mubarak fazendo o Fujimori

O ex-presidente do Egito, Hosni Mubarak, sofreu um ataque cardíaco justamente durante um interrogatório. A informação é da TV estatal egípcia. Agora, o ex-ditador repousa em um hospital e, segundo fontes, o estado de saúde dele é estável.

Na quarta-feira, Mubarak e seus dois rebentos foram detidos e levados para a penitenciária de Tora, na cidade do Cairo, onde ele mesmo costumava trancafiar os presos políticos do seu regime. Ele ficará pelo menos 15 dias em detenção no hospital onde está internado enquanto as autoridades aguardam que a saúde do político, de 82 anos, melhore um pouco para continuar os interrogatórios. Mubarak é acusado de usar a violência contra os manifestantes que exigiam sua saída no início deste ano. Os protestos terminaram com mais de 800 mortos.

Um ditador no banco dos réus passar mal e adiar o julgamento, ou interrogatório, não é novidade. Em 2007 e 2008, o ex-presidente peruano Alberto Fujimori (1990 a 2000) era julgado por violação dos direitos humanos e teve supostos problemas de saúde inúmeras vezes. Em 2009 foi condenado a 25 anos de prisão.

Vamos acompanhar.

terça-feira, 12 de abril de 2011

CFK passa mal e cancela agenda

A presidente argentina, Cristina Fernández de Kirchner, se sentiu mal esta tarde e cancelou toda a agenda, que incluí uma visita que faria ao México nesta quarta-feira (12).

CFK apresentou um quadro de pressão baixa e foi atendida ainda na Casa Rosada. Os médicos recomendaram repouso absoluto e passaram uma dieta específica.

Esta não é a primeira vez que CFK passa mal devido à hipotensão. Em janeiro passado ela teve um mal estar por causa do calor. Há dois anos, outro mal estar fez Cristina cancelar uma viagem a Cuba.

Com informações do La Nación.

Um detalhe: na notícia publicada no site do jornal argentino, consta a seguinte nota no rodapé: “Estimados leitores, a nota foi fechada para comentários devido à sensibilidade do tema”.

ETA e Farc

Para o atual presidente da Colômbia, “não há dúvidas” de que existe uma ligação entre a ETA e as Farc. Em entrevista à Televisão Espanhola esta semana, durante visita à Madri, Juan Manuel Santos disse que foram encontradas provas das relações entre o ex-grupo armado espanhol e a guerrilha colombiana.

Segundo ele, nos computadores do ex-chefe das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, Mono Jojoy, foram encontrados e-mails que comprovam as relações. Ele foi morto em setembro do ano passado em um bombardeio promovido pela Força Aérea colombiana.

Há muitos anos vem sendo investigada essa possibilidade. Em 2008, por exemplo, foi divulgado que as duas organizações planejavam atentados em Madri. Também já foi dito que as Farc treinavam membros da ETA.

Vale lembrar que recentemente a ETA anunciou o fim das ações terroristas na Espanha e as Farc entraram em negociação com a ex-Senadora Piedad Córdoba e libertaram um grupo de reféns.

Presidente tcheco aparece em vídeo roubando caneta

Neste vídeo da televisão tcheca, o presidente Vaclav Klaus, discretamente, "rouba" uma caneta em entrevista coletiva ao lado de Sebastián Piñera, presidente do Chile.

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Kadafi some até dos “suvenires” na Líbia

Em Benghazi, a cidade da Líbia que é considerada a capital dos rebeldes, vendedores ambulantes estão faturando com a venda de lembrancinhas do conflito. São camisetas, xícaras, botons, relógios e bandeiras.

Os artigos têm as cores da bandeira da Líbia e, ao invés do rosto do ditador Muammar Kadafi, estampam um herói da resistência líbia contra os italianos em 1911: Omar Al-Mukhtar.

Um dos vendedores chegou a fazer reproduções do dinheiro do país e trocar a cara de Kadafi pela do herói revolucionário. Ele disse que o povo não quer mais Kadafi nem no dinheiro, nem nas ruas.

Mukhtar foi capturado e morto pelos italianos em 1931. Na foto abaixo, aparecem o primeiro-ministro Sílvio Berlusconi e o ditador Muammar Kadafi. Atenção para a foto que o líbio ostenta no peito: mostra a prisão de Mukhtar pelos adversários:

sábado, 9 de abril de 2011

Sweet Micky, presidente do Haiti

O cantor Michel Martelly, vencedor das eleições presidenciais no Haiti, se comprometeu a aplicar as mudanças que a nação precisa e assegurou que trabalhará pela reconciliação no país caribenho, onde reina uma forte divisão política.

Veja em vídeo da Agência EFE:

Se você não gostou dele falando, quem sabe curta o presidente cantando.

sexta-feira, 8 de abril de 2011

A tragédia do Rio nas capas de 50 jornais

CLIQUE AQUI e veja as capas de 50 jornais.

Separados pela política

A Justiça da Guatemala aprovou o divórcio entre o presidente Alvaro Colom e a primeira-dama Sandra Torres. Ao contrário do que qualquer um pode imaginar, o casal não brigou. Pelo contrário, estão tão apaixonados que vão se separar para driblar a legislação eleitoral do país.


O divórcio foi a opção porque a Lei eleitoral proibia Sandra de concorrer à presidência da Guatemala por ser esposa do atual presidente. Em 89, a oposição usou esse artigo que proíbe a candidatura de parentes próximos para barrar a tentativa da mulher do presidente Vinício Carezo de sucedê-lo.


Agora, Colom e Sandra estão legalmente divorciados. Apesar disso, a pré-candidata disse que amor dos dois “está mais forte do que nunca”, mas que o amor deles pela Guatemala é maior ainda.


O principal candidato de oposição de direita, Otto Perez Molina, derrotado na época por Colom, não está nem um pouco feliz. Ele classificou como "fraude" o pedido de divórcio. A opinião pública, segundo os veículos de comunicação do país, não aceitou bem a jogada política. Um site entrevistou 20 mil pessoas por telefone e afirma que 98% são contra a separação.


Agora, campanha iniciada, Sandra Torres pode repetir o feito de Cristina Kirchner, que em 2007 sucedeu Nestor Kirchner na presidência da Argentina. A diferença é que o casal argentino não precisou desse artifício.

Eleições no Peru: candidatos encerram campanhas

Os candidatos à presidência do Peru encerraram na noite de quinta-feira suas campanhas eleitorais. No próximo domingo, os peruanos vão às urnas para eleger o próximo presidente, que terá mandato de cinco anos, além de escolher 130 novos parlamentares.

De acordo com pesquisas divulgadas somente para a imprensa estrangeira, o candidato da coligação Ganha Peru, Ollanta Humala, está na frente. Keiko Fujimori, filha do ex-presidente Alberto Fujimori, é a favorita para ir para o segundo turno. No entanto, nada está definido. O ex-presidente Alejandro Toledo e o economista Pedro Pablo Kuczynski estão empatados em terceiro lugar, segundo as pesquisas. Mais atrás está o ex-prefeito de Lima Luis Castañeda.

Humala escolheu a cidade sulina de Arequipa para falar a cerca de 10 mil simpatizantes e fechar a campanha. Criticou o sistema econômico do país e a má distribuição de renda.

Os outros candidatos escolheram a capital, Lima, para fazer o último pedido de votos. Keiko Fujimori reuniu 20 mil pessoas para dizer que "grande parte do reconhecimento que recebe se deve à lembrança do que o seu pai, Alberto Fujimori, fez pelo país. Em Abril de 2009, o pai dela foi condenado a 25 anos de prisão por violações dos direitos humanos enquanto esteve no poder, entre 1990 e 2000.

O ex-presidente Alejandro Toledo falou para 10 mil eleitores e, apesar da recente queda nas pesquisas, recebeu apoio do prêmio Nobel de Literatura 2010, Mario Vargas Llosa, e do ex-secretário-geral da ONU Javier Pérez de Cuéllar. No discurso, Toledo repetiu que seus eleitores não deveriam se arriscar, em alusão ao risco de perder votos para Humala ou Keiko Fujimori, que são vistos como os candidatos "anti-sistema".

O contraste com estes comícios grandes foi o do economista Pedro Pablo Kuczyinski, que reuniu cerca de duas mil pessoas na Praça San Martín. Ele voltou a dizer que é o candidato mais preparado para manter o atual nível de crescimento e de investimento. Antes de falar isso, porém, o candidato presenteou seus eleitores com um pequeno show de flauta transversal.

Veja em vídeo:

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Discussões oportunas ou oportunistas?

Ao maior estilo norte-americano, um jovem carioca entrou em uma escola aparentando ser uma pessoa normal. Depois de se apresentar e jogar uma conversa em alguns professores, sacou duas armas e disparou para todos os lados. Resultado: matou 11 crianças, deixou outras feridas e cometeu suicídio.

Foi só as redes de televisão começarem a noticiar o fato e ferramentas democráticas onde qualquer um escreve qualquer coisa que está pensando se transformaram em grandes fóruns de discussão. No Twitter, única dessas ferramentas que utilizo, todo mundo tinha opinião. Falaram da sanidade mental do assassino, das suas tendências religiosas, comentaram a cobertura dos jornalistas e até defenderam a instalação de detectores de metal nas escolas.

Até que surgiu a velha discussão sobre o desarmamento. Muita gente ainda ressentida pelo “Não” ter vencido o plebiscito no passado começou a emitir opiniões simplistas. A mais reproduzida foi “e se ele não tivesse acesso a essas armas?”.

Não existe argumento mais frágil, simplista e batido do que esse. Sugiro aos defensores desse ponto de vista que reflitam: se o porte e a comercialização de armas fossem proibidos no Brasil você realmente acredita que esse fato lamentável não teria ocorrido? Você acha que as armas que essa pessoa possuía eram legais? Você acha que ele tinha porte de armas?

Boa noite.

terça-feira, 5 de abril de 2011

Bolsonaro queria flashes. E conseguiu!

O deputado federal Jair Bolsonaro foi o assunto da semana. Tudo depois desse vídeo. Você, provavelmente, já sabe do que se trata e acompanhou as repercussões do caso.

O fato é: antes do CQC de segunda-feira passada, você sabia quem era Jair Bolsonaro? Se você não é do Rio de Janeiro – ou até se é – provavelmente a resposta seja um sonora NÃO. É que ele não passava de mais um deputado inexpressivo para quem ninguém dava espaço na mídia.

Com a polêmica entrevista, Bolsonaro queria mais do expor sua opinião. E conseguiu. Se for feita uma pesquisa na rua, ele é provavelmente o deputado mais conhecido do Brasil por esses dias. Talvez perca para o Tiririca, por razões óbvias.

Prova disso é o número de entrevistas que Jair Bolsonaro deu esta semana. Falou para o CQC novamente, atendeu o UOL, revistas, jornais etc.

Em cada entrevista, Bolsonaro se enterra um pouco mais. Está atolado até o pescoço. Se há pontos positivos em tudo isso são: 1) o grande debate que se formou sobre preconceitos e 2) as possíveis punições exemplares que o nobre deputado deverá sofrer por falar demais.

Nesta segunda-feira um famoso colunista do Rio de Janeiro ligou a fala de Bolsonaro à liberdade de expressão. Exagerou. A liberdade de um termina quando começa a de outro.

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Obama 2012

Nesta segunda-feira o presidente Obama anunciou através da internet que quer concorrer à reeleição. A surpresa ficou por conta da antecedência com que o anúncio foi feito. Segundo o presidente, é porque ele acredita em uma campanha feita no boca-a-boca e isso requer tempo.

O anúncio foi alvo de muitas críticas, já que este não é exatamente o melhor momento para fazer campanha. Os Estados Unidos estão envolvidos em três guerras, se recuperando de uma crise econômica e vivendo a frustração do projeto Obama.

No entanto, é óbvio que o atual líder é o candidato natural. Hillary Clinton seria, em minha opinião, a alternativa a Obama. Seria ideal para o Partido Democrata depois de eleger o primeiro negro, eleger a primeira mulher presidente dos Estados Unidos. Só que a ex-primeira-dama já disse que vai se retirar da política no ano que vem.

A figura de Obama já deu o que tinha que dar. Infelizmente, não é uma boa a maior potência mundial cair nas mãos de ultraconservadores. Ou você já imaginou Sarah Palin de TPM coordenando o ataque dos aliados à Líbia?

sábado, 2 de abril de 2011

Ahan, Menem. Senta lá!

Os aliados da atual presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, fizeram uma jogada de mestre nos últimos dias. Não é de hoje que o ex-presidente Carlos Menem anuncia a intenção de concorrer nas eleições presidenciais de outubro deste ano. Mesmo este sendo uma espécie de Paulo Maluf da Argentina, assim como o brasileiro, ele ainda possui uma legião de eleitores fiéis. Tanto que conseguiu se eleger Senador.

Para evitar o confronto com Menem, os aliados de Cristina ofereceram apoio a ele na tentativa de se reeleger no Senado. A princípio, Menem aceitou e não vai mais incomodar o Peronismo nas eleições para escolher o próximo presidente do país.

Obviamente, o apoio a Menem foi alvo de uma enxurrada de críticas. Tudo pode tratar-se de um político de caráter duvidoso, que coleciona condenações e foi o responsável pela grande crise que fez a Argentina ter vários presidentes em poucas semanas, em dezembro de 2001, além de bagunçar a economia.

Motivos não faltam para achar que Menem é uma péssima opção para qualquer cargo político, mas os aliados de CFK seguiram a política do “menos pior”. Ao invés de atrapalhar a eleição presidencial, ele tenta o Senado e assim pode causar menores dados ao país.