sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Tombos, gafes e palhaçadas de vários presidentes

Essa gafe do Rajoy me lembrou desse ótimo vídeo de 10 minutos que reúne as melhores gafes, tombos e outros momentos hilários de presidentes americanos e políticos importantes. Vale parar pra ver!

Gafe: Rajoy confunde Peru com Cuba

O presidente do governo espanhol, Mariano Rajoy, protagonizou uma gafe durante visita oficial ao Peru esta semana. Ao lado do presidente do país, Ollanta Humala, Rajoy lia um texto sobre as relações entre os dois países quando se atrapalhou. “Quero agradecer ao governo CUBANO por seu protagonismo e por suas contribuições...”

O espanhol não percebeu o erro e continuou o discurso. Já Humala fez cara de desgostoso, mas também não corrigiu o lapso. Nesta sexta-feira, Mariano Rajoy e outros chefes de Estado estão em Santiago do Chile para participar da cúpula União Europeia – América Latina e Caribe.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Cristina Kirchner x El País: 11 tweets e um alvo

Em 11 tweets seguidos, a presidenta argentina Cristina Kirchner comentou, na manhã de hoje, a barrigada do jornal espanhol El País. “Vou tomar o café da manhã. Como todas as manhãs, em minha mesa há uma pilha de jornais argentinos e também um exemplar do jornal espanhol El País. Na capa do El País vi uma foto. Corrigindo, isso não é uma foto. É uma canalhice”, escreveu CFK.

Na sequência, questionou se a pessoa que decidiu publicar a imagem tem filhos ou se “caminhará pelas ruas de Madri com homens e melhores normais?”. “Falará de liberdade de imprensa?”, escreveu.

“Imprensa canalha”, disse, completando “Não me ocorre outro adjetivo”. Depois, aproveitou o gancho para criticar os jornais The Sun, do Reino Unido, e, claro, o Clarín, seu principal opositor na Argentina. “Sobre este (Clarín), não me faltam adjetivos, sobram e são muito conhecidos.”

Cristina concluiu a série de tweets enviando mensagem de solidariedade ao vice da Venezuela, Nicolás Maduro, e às filhas de Chávez.

Um dos equívocos mais corriqueiros dos presidentes latinos é julgar toda imprensa por um caso pontual. Se houve maldade na publicação da foto pelo El País, nunca saberemos. No entanto, pode ter sido apenas um erro (um grande, imbecil e inacreditável erro, claro).

Um erro não justifica outro e aproveitar o gancho para colocar toda a imprensa num só balaio não me parece a melhor forma de reação. Eu, como jornalista, não posso dizer que todos os presidentes do mundo são ladrões se ficar provado que um deles roubou dinheiro público. 

O mico do ano: El País publica foto falsa de Chávez na capa


O jornal espanhol El País cometeu o que deve ser a gafe do ano. O diário publicou uma foto de um homem entubado como sendo o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, na capa da edição desta quinta-feira. A imagem foi retirada de um vídeo que circula na internet similar ao que publiquei aqui há algumas semanas. Após se retratar pelo erro, o El País recolheu a edição das bancas.

Veja aqui o vídeo de onde a imagem foi retirada.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Primeira-dama do Peru quer ser presidenta

Nadine Heredia, mulher de Ollanta Humala, deve representar o oficialismo em 2016
O governo liderado pelo presidente do Peru, Ollanta Humala, enviou ao Congresso uma proposta de modificação na legislação eleitoral que omite o artigo que, atualmente, proíbe que parentes do mandatário concorram. O que se diz é que Humala pretende lançar a mulher, Nadine Heredia, como candidata à presidência em 2016, já que não há reeleição imediata no país.

“Esse assunto não está na agenda”, dizem membros do governo quando questionados sobre uma eventual candidatura da primeira-dama. No entanto, no dia 22 de junho do ano passado a “Oficina Nacional de Procesos Electorales”, órgão do governo, enviou ao parlamento o projeto 01286/2011, chamado “Lei que propõe a aprovação do código eleitoral”.

O projeto, em seu artigo 69, proíbe que ministros, governadores, prefeitos e uma série de autoridades concorram à presidência sem renunciar aos seus cargos. No entanto, segundo o jornal El Comércio, o artigo não fala absolutamente nada sobre parentes do presidente. Sendo assim, se a proposta for aprovada, Nadine Heredia terá caminho livre para apresentar sua candidatura.

Ao que tudo indica, ela começou a se preparar logo que o marido assumiu a presidência. Antiga militante do Partido Nacionalista Peruano (assinou a ata de fundação), Nadine é presença constante em reuniões do governo. A primeira-dama usa sua conta no Twitter para fazer anúncios e comentar os principais fatos políticos do Peru. Além disso, tem aparecido bastante em público e até feito discursos. 

Equador: oposição cresce às vésperas de eleições presidenciais


Em pesquisa recente, Lasso tem 18% contra 49% do atual presidente
Faltando poucos dias para a eleição presidencial no Equador (17/02), uma pesquisa mostra que o atual presidente, Rafael Correa, está em queda livre, enquanto seu principal opositor, Guillermo Lasso, já aparece com 18% das intenções de voto. Correa lidera com folga com 49%, cifra suficiente para reelegê-lo em primeiro turno, mas após a divulgação desse levantamento o presidente subiu o tom contra os opositores.

Guillermo Lasso, um empresário com 42 anos de experiência no setor bancário, aposta em velhas ideias que predominavam na América Latina nos anos 90 para conquistar o eleitor. Em entrevista recente publicada pelo portal Terra, ele afirma que quer “mais Equador no mundo e mais mundo no Equador”. Defende parcerias econômicas com os Estados Unidos, com a Europa e com todos os que queiram fazer negócios com o pequeno país latino. No entanto, não respondeu claramente se defende o ingresso do Equador no Mercosul.

Ao entrevistar Lasso, percebi claramente que suas ideias, principalmente as econômicas, se aproximam das do ex-presidente brasileiro Fernando Henrique Cardoso. Conciliador, ele tenta ser o fiel da balança contra um presidente cheio de personalidade e que não tem papas na língua.

Nas propostas internas, sua principal bandeira é a segurança pública. Ele promete contratar mais 21 mil policiais e melhorar a segurança em todo o país. Também critica as conturbadas relações de Rafael Correa com a imprensa e diz que, em seu governo, os veículos de comunicação independentes terão liberdade total para “cumprir o seu papel”.

No entanto, o que mais me chamou a atenção na fala do opositor foi quando o questionei sobre os episódios recentes no Paraguai e na Venezuela. Lasso não respondeu se classificaria o impeachment relâmpago do ex-presidente Fernando Lugo no ano passado como “golpe”. Limitou-se a dizer que “devemos lembrar que a democracia começa com o voto, mas não termina com o voto”. Estou até agora tentando digerir essa frase. 

Quando o assunto foi Venezuela, o opositor pareceu disposto a falar. Tanto que foi a pergunta para a qual deu a resposta mais longa de toda a entrevista. Na opinião dele, o país de Hugo Chávez vê um enfraquecimento das instituições democráticas provocado pela falta de alternância no poder.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Vídeo de um suposto Hugo Chávez no hospital (!)

Vídeo postado no YouTube mostra um suposto Chávez entubado:

O que diz a Constituição da Venezuela sobre a 'falta absoluta'

"Artículo 233. Serán faltas absolutas del Presidente o Presidenta de la República: su muerte, su renuncia, o su destitución decretada por sentencia del Tribunal Supremo de Justicia, su incapacidad física o mental permanente certificada por una junta médica designada por el Tribunal Supremo de Justicia y con aprobación de la Asamblea Nacional, el abandono del cargo, declarado como tal por la Asamblea Nacional, así como la revocación popular de su mandato.

Cuando se produzca la falta absoluta del Presidente electo o Presidenta electa antes de tomar posesión, se procederá a una nueva elección universal, directa y secreta dentro de los treinta días consecutivos siguientes. Mientras se elige y toma posesión el nuevo Presidente o la nueva Presidenta, se encargará de la Presidencia de la República el Presidente o Presidenta de la Asamblea Nacional.

Si la falta absoluta del Presidente o Presidenta de la República se produce durante los primeros cuatro años del período constitucional, se procederá a una nueva elección universal, directa y secreta dentro de los treinta días consecutivos siguientes. Mientras se elige y toma posesión el nuevo Presidente o la nueva Presidenta, se encargará de la Presidencia de la República el Vicepresidente Ejecutivo o la Vicepresidenta Ejecutiva.

En los casos anteriores, el nuevo Presidente o Presidenta completará el período constitucional correspondiente.

Si la falta absoluta se produce durante los últimos dos años del período constitucional, el Vicepresidente Ejecutivo o Vicepresidenta Ejecutiva asumirá la Presidencia de la República hasta completar dicho período."