sábado, 28 de setembro de 2013

O desconcertante discurso de Mujica na ONU

Que o presidente uruguaio, o tupamaro José Pepe Mujica, acertou a mão em seu penúltimo discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas poucos discordam. Ele demonstrou preocupação além do limite costumeiro do pensamento que norteia essas reuniões. Em geral, os líderes mundiais vão à ONU com demandas de suas Nações, como fez a presidenta Dilma Rousseff ao criticar a espionagem norte-americana. Mas Mujica surpreendeu e se aprofundou nas características da nossa sociedade atual e em como ela está submissa ao poder do capital.

Reconhecido mundialmente por sua humildade – chamado de “o presidente mais pobre do mundo” -, Pepe Mujica tem todos os atributos para ser o porta-voz da austeridade. E assim o fez. A fala do uruguaio diante dos mais importantes líderes políticos do mundo foi desconcertante. O alcance das ideias de Pepe surpreendeu a todos e ofuscou até as falas do presidente norte-americano, Barack Obama, ou do novo líder iraniano, Hassan Rohani.

Imagino o que passou na cabeça de presidentes e premiês que, enquanto ouviam Mujica falar, que colocavam a mão na testa. O ar pensativo denunciava a efervescência de pensamentos. “Como somos mesquinhos”, é o que espero que passava pela cabeça desses líderes.

Antes de viajar para Nova York, Mujica alertou, quando perguntando sobre o discurso que estava preparando: “se eu falar na ONU tudo o que escrevi, vão isolar o Uruguai”. Ou seja, Pepe não falou nem metade do que pensa ou pretendia. Será que está guardando para seu último discurso, na Assembleia Geral do ano que vem?

Melhor do que tagarelar sobre o que disse Pepe Mujica é escutar o próprio. Abaixo o vídeo com o discurso completo:


Com legendas em português, nesse link.

domingo, 22 de setembro de 2013

Neruda: 40 anos depois, verdade sobre morte do poeta chileno está próxima

Allende e Neruda
Nesta segunda-feira, 23 de setembro, a morte do poeta chileno Pablo Neruda completa 40 anos, assim como o golpe militar que terminou com o governo e com a vida do seu amigo Salvador Allende. Neruda morreu, supostamente vítima de avançado câncer de próstata, apenas 12 dias após aquele 11 de setembro de 1973, quando o Exército, sob o comando do general Augusto Pinochet, bombardeou o palácio La Moneda e tomou o poder.

A morte do poeta, que era tão próximo de Allende, sempre despertou dúvidas pela proximidade com o golpe de Estado. Mesmo aqueles que não acreditam que ele tenha sido envenenado, como denunciou anos mais tarde omotorista do escritor, acham que a derrubada do governo fragilizou a saúde de Neruda.

A verdade sobre a real causa da morte do poeta está próxima. Em abril desse ano, os restos mortais de Neruda foram exumados e amostras estão sendo analisadas dentro e fora do Chile. Ainda não há um resultado.

Allende

Em 2011, o mesmo procedimento foi feito com os restos mortais de Salvador Allende. A perícia concluiu que o ex-presidente cometeu suicídio dentro do La Moneda durante o bombardeio dos militares. 

Os resultados da autópsia de Allende, realizada por especialistas chilenos e espanhóis, foram anunciados dois meses após a exumação dos restos mortais do presidente, realizada em maio de 2011, a pedido da família e de entidades de direitos humanos.

Allende se matou com um fuzil automático AK-47 que, supostamente, foi presidente de Fidel Castro.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Caiu o presidente da Venezuela


O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, levou um tombo durante um passei ciclístico. A cena foi filmada pela TV estatal.

Parece que Maduro aprendeu a cair de bicicleta com seu mentor, o ex-presidente Hugo Chávez. Nesse trecho do documentário "Ao sul da fronteira", o ex-presidente também sofre um pequeno acidente.